sábado, 18 de junho de 2016

Offline (por vezes) é o melhor estado do mundo!!!!

Offline Portugal, Aljezur

Depois de tantos anos ONLINE... nas redes sociais, na televisão, na rádio, nos jornais... tenho a dizer-vos que me cansei um pouco de ter a minha vida tão exposta e partilhada. Também me cansei de conhecer pessoas em catadupa... parecia que já não tinha mais espaço na minha memória para decorar mais um nome e mais uma cara. Podem não acreditar, mas foi isso que se passou.

Passado quase 1 ano de finalizar a minha vida trocas em exclusivo, senti-me cansada e esgotada energeticamente de tanta gente que conheci, de tantos trabalhos que tive, de tantas preocupações que tinha diariamente (quer fosse para me alimentar, para me transportar, ou simplesmente viver sem dinheiro).

Necessitei de uma pausa, uma pausa OFFLINE, apesar de continuar pontualmente nas redes sociais, no facebook, no instagram e até no pinterest. Mas era um continuar diferente, onde de forma ordeira e calma vou participando nas redes sociais, mas sem a pressão de colocar conteúdos todos os dias, de promover marcas e pessoas, de fazer trocas, de escrever no blog mostrando as minhas atividades diárias. Ou seja, utilizar as redes sociais apenas como uma "comum mortal"!

Mas depois de tanto tempo... precisei (e ainda preciso) de um tempo verdadeiramente OFFLINE. Para colocar a cabeça e o coração no lugar e perceber para onde quero caminhar. A experiência de viver de trocas, foi muito maior do que algum dia poderia pensar ou prever. Além de uma alteração total ao meu estilo de vida, foi também redescobrir e aproximar-me um pouco mais do meu verdadeiro eu. Mas um eu, que ainda anda um pouco confuso e até cansado, de tanta troca! Sim, as trocas cansam!!!

E pronto... estar OFFLINE não só das redes sociais, mas estar ONLINE connosco e com quem nos rodeia, de forma coesa, humana e limpa. Simples. Foi desta forma que experimentei um conceito de uma amiga: o OFFLINE PORTUGAL. O OFFLINE PORTUGAL nada mais é do que um sítio brutal para passar férias de forma OFF do mundo virtual. Ou seja, um mundo sem computador, sem internet, sem telemóvel, sem tablet. Em OFF mas muito ON. Eu explico...

A primeira coisa que se faz, no momento do Check-in é entregar os nossos aparelhos com ligação à net, quer sejam telemóveis, computadores ou tablets. Vão para dentro destas gavetinhas, mas ficamos sempre com a chave da gaveta onde os nossos aparelhos estão. E pronto, agora é só "gozar" a nossa estadia sem esta ligação "doentia" com o mundo virtual.

Desenganem-se que o dia-a-dia no OFFLINE PORTUGAL é uma seca, parado, sem coisas para fazer e com a noção que temos de estar OFF (tipo amorfos, quietos e quase mortos). Nada disso, ali estamos ON, mas ON no dia-a-dia, connosco, com os outros. Criamos uma família temporária com os hóspedes e com os voluntários e partilhamos quase todos os momentos do dia, em conjunto: nas refeições, nas idas à praia, nas caminhadas, nas aulas de yoga e surf, na piscina... E depois de jantar, em vez de ficarmos agarrados à televisão ou ao computador, estamos juntos de novo, conversamos, cantamos, dançamos, tocamos instrumentos e relaxamos.

No fundo estar OFF é verdadeiramente ON! :) "Disconnet to reconnet", é o lema do OFFLINE PORTUGAL!

Estive 2 dias neste maravilhoso estado... e para vos dizer a verdade, mal senti a falta do contato com o mundo virtual. Não posso negar que algumas vezes me perguntava porque não tinha o telemóvel na minha mala e especificamente ao deitar me lembrava de ir ver se tinha alguma mensagem no facebook ou um novo like no Instagram... Mas isso foi passando com o tempo! Repetia a experiência por pelo menos 11 dias. Será que conseguia?!

...

Boas temporadas OFF's para vocês. Aproveitem o Verão para menos fotos: aos pés na areia, ao pôr-de-sol laranja, aos pratos de caracóis, ao novo biquini... e mais: para olharem nos olhos das pessoas que vos acompanham nessas experiências.

Bem haja Rita e Bárbara por esta experiência. Valeu a pena estar muito ON... mas ON MESMO! :)

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Ó tempo que não vinha aqui...

Pois é... o tempo passa e nem damos por ele... Desde o último dia que aqui escrevi, dia da Liberdade, muitas coisas se passaram... mas escrever não foi uma delas. Acontece, que durante todo este tempo, fui partilhando a minha vida, as minhas opções, os meus pensamentos e escolhas, e por uns momentos, soube-me bem ficar anónima em tudo isto.
Não sei se estou de volta às lides dos blogs, mas hoje sei que me apeteceu partilhar o que me vai na alma... e falar um pouco de mil assuntos que foram sendo alterados na minha vida...
E por isso, vou listar os 11 assuntos mais importantes, esperando que num dia de mais inspiração "partilhadora" os poder detalhar:
1. Comecei a dar palestras em empresas
3. Consegui começar a escrever para revistas
4. Vou começar a trabalhar! :)
5. Não sei o que fazer com o meu blog
6. Comecei a escrever um novo livro
7. Iniciei um novo projeto que não passou do papel e que tem a ver com o livro do ponto 5. :(
8. Deixei de ser vegetariana "totalmente"
10. Estou numa fase de "calmaria"... diria mais, paragem total e absoluta
11. ...
Por hoje, fico-me por aqui, mas se me quiserem encontrar é no Centro Comercial Alegro Alfragide e Castelo Branco (e quiçá Setúbal), algumas 4as feiras! :)

sábado, 25 de abril de 2015

Dia da Liberdade: com e sem trocas

Costumo dizer que tenho 3 vidas... Primeira vida no meu primeiro casamento, segunda vida no segundo casamento e terceira vida: projecto de viver de trocas durante 1 ano, 11 dias, 11 horas e 1 minuto com 1111€. Pois acho que a partir de agora vou começar a minha 4ª vida: trocas e dinheiro.

Comecei este mês um estágio na minha editora, remunerado. Nem se pode considerar bem remunerado, porque a remuneração não é muita, mas é o que temos... Contudo, se já consegui viver quase sem dinheiro, e com 50€ por mês... viver com 5 vezes mais do que isso, já é uma benção!

...Tenho andado caladinha, desde que editei o meu livro. Sobretudo tenho dado palestras um pouco por todo o país, fazendo trocas com os meus livros e meramente, a minha vida tem sido isso... além de um curso que fiz e que me deu oportunidade de fazer este estágio.

Ultimamente sinto-me muito cansada de fazer trocas e de viver sobretudo de trocas... Sinto-me presa por não poder ter possibilidade de escolha quando quero adquirir alguma coisa, ou um serviço. Isto das trocas é muito giro, mas o dinheiro dá-nos uma oportunidade de liberdade que nada mais dá... e sim, o dinheiro também é uma troca! Como eu costumo dizer, o que não torna o dinheiro menos saudável, é a forma como o utilizamos.

Posto isto, andei para aqui estes meses todos a pensar, o que fazer da vida! Sinto-me a acordar de um sonho, ou de um filme onde eu fui a protagonista... a protagonista que viveu de trocas, lutou pelas trocas e gritou aos sete ventos que o mundo com trocas seria muito mais feliz e humano! E sim, é! Mas não é lá muito livre! E por isso, acho que com este meu estágio termina o meu período oficial de trocas! Claro que não as vou deixar de fazer... e claro que ainda não tenho um trabalho que me consiga sustentar... e por isso, as trocas continuam a ter de ser feitas, mas estou cansada... e sim, ter umas moedas no bolso que me dão possibilidade de ter liberdade para adquirir o que me dá na real gana, é mesmo muito bom! Admito!

Resta saber o que vou fazer daqui para a frente... e já pensei em algumas hipóteses, mas se me quiserem dar a vossa opinião, terei mesmo muito gosto. Ora aqui vão umas ideias:
. encontrar um emprego a part-time para ter alguma sustentabilidade económica. Contudo, tem de ser algo dinâmico, na área da cultura, criatividade, comunicação, relações humanas... Algo que seja útil e que ajude os outros! Aceito propostas!
. escrever semanalmente para um jornal e/ou revista a dar dicas belivadoras, ao nível da economia, ecologia, sustentabilidade ou saúde
. ter um programa ou rubrica num canal de tv a sério. Tenho tantos projectos para entrevistar e tantas pessoas interessantes com quem falar!!!! :)
. criar uma plataforma de produtos e/ou serviços portugueses belivadores, por forma a partilhar o que de muito bom se faz no nosso país
. leccionar workshops ou fazer consultoria sobre "viver de trocas", ser mais económico e poupado e trocar as voltas à vida!

E pronto, por enquanto é o que temos! Aguardo as vossas ideias! :)

A música de hoje aqui fica: https://www.youtube.com/watch?v=_bdOTUocn5w

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Não quero ser feliz, quero ser livre!

Dizem que é o Mercúrio que está retrógrado que faz com que estes tempos sejam difíceis. Li algures que o meu mês de Fevereiro não ia ser dos melhores. Não sei se a astrologia tem sempre razão em tudo ou se colocamos a "culpa" nos planetas, o que é certo é que realmente há uns grandes "desafios" (para não dizer dificuldades) a afectar o meu dia-a-dia.

Primeiro, algumas das trocas que tinha asseguradas, como o supermercado e a gasolina deixaram de existir e isso, realmente não é um bom sinal para quando estamos limitadas a umas horas de trabalho por umas compras para a semana. Por isso, agora é puxar pela imaginação! Como comer?! Trocas em casa de amigos? Fazer sites em troca de comida? Encontrar um novo supermercado? Fazer entregas? Dar boleias por gasolina? Fazer woofing. Bem... é começar a pensar com rapidez.

Como senão chegasse as trocas falharem, a minha casa-de-banho teve uma pequena inundação e no mesmo dia o meu computador "pifou"!!! Resultado estou quietinha sem fazer nada do meu projecto, sem planear as palestras e sem actualizar as minhas bases de dados e demais afazeres. 

Há momentos na vida, em que a vida pára. Não quer dizer que tenha de parar e ficarmos sem comer, sem nos deslocarmos e sem trabalharmos. O que é sinal é que por um qualquer motivo, ela nos faz parar, para nos mexermos talvez com outra direcção. É isso que ando a pensar... Mas enquanto penso e não penso tive de resolver algumas situações: a comida, o computador e a deslocação. A deslocação é fácil, é andar mais de transportes, com a minha troca na CP. Quanto à comida talvez vá fazer um woofing por uns tempos para por a cabeça em cima dos ombros enquanto decido o que faço com a minha vida e decido o que quer fazer a partir daqui. A verdade é que trocas é giro, mas também cansa e já vou para 4 anos desta aventura. Quando trabalhava queria ser mais feliz...e ao fazer este projecto assim foi. Descobri muitas coisas novas, pessoas maravilhosas, 1111 actividades novas e formas de fazer tudo, e tornei-me mais livre. Com menos horários, menos responsabilidades diárias, mas muita criatividade e jogo de cintura. Hoje, quase sem dinheiro, sinto-me menos livre. O não ter dinheiro também não dá liberdade... ele tanto nos a tira, como nos a dá e essa liberdade e a escolha que se faz com ele é que é o verdadeiro sentir "da coisa".

Quanto ao pc e graças às pessoas maravilhosas que conheci: um amigo ofereceu-se para me arranjar o pc, outro emprestou-me um pc por uns tempos, outra arranja peças se for preciso e outra dá-me um computador que já não precisa, caso o meu não dê. E é isto o melhor do meu projecto não são as trocas, mas sim a quantidade de maravilhosas pessoas que conheci, com os valores do meu projecto: confiança, altruísmo e partilha...

Que mais se pode querer?!!? Muita coisa... mas a vida com amigos é bem mais fácil!

https://www.youtube.com/watch?v=rsvVzAn_qlI

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Belivro's trocados

Foto por Rui Canento
Por mais livros que tenha para editar, acho que vou querer sempre uns para trocar em vez de vender. O que é facto é que a troca é muito mais feliz e muito mais compensadora do que vender um livro, por intermédio de uma editora, que muitas vezes nos paga tão pouco por sermos autores do nosso trabalho (felizmente não é o caso da minha, que é óptima!!!).

O que tenho para vos dizer é que trocar o meu Belivro rende mesmo muito. Já troquei por um cabaz de batatas, cebolas, avelãs, maçãs e limões. Um consulta no dentista. Uma sessão de estética. Um workshop de comida de fusão ao domicílio. Tintas para madeira, para restaurar as portas da minha casa. Comida para os meus gatos. Uma transportadora de gatos e muitas laranjas e limões. Uma cama para as minhas gatas também feita com uma antiga camisola e uma mochila para o computador. Uma massagem ayurvédica. Um penteado para o lançamento do meu livro. E por falar em penteados, as coisas que eu já fiz por trocar penteados ou sessões de beleza! Já emprestei o meu vestido de noiva para uma sessão fotográfica, por troca de um corte de cabelo. Uma manicure por troca de maquilhar. Vários cortes e penteados por ter um programa de tv. Enfim, nem a beleza escapa às trocas.

Digam lá, que trocar não é o que está a dar. A magia da "coisa" das trocas é que realmente a melhor benção é mesmo que o que o outro tem para dar, não tem um valor quantitativo... Bem, até pode ter um valor, claro! Tudo na vida tem um valor. Mas quando se troca, porque se quer ajudar, o valor é muito mais qualitativo do que quantitativo e o valor sentimental está na troca em si.

É por isso, que mesmo que em breve possa ganhar dinheiro, ou trabalhar por dinheiro... trocas é algo que nunca deixarei de fazer... Mesmo! :)